Biosev vende Usina Giasa ao Grupo Olho D’Água por R$ 70 milhões

November 12, 2018

A Biosev informou nesta sexta-feira que assinou contrato para vender por R$ 70 milhões a totalidade do capital social da Usina Giasa à M&N Participações S.A., holding da Olho D'Água, grupo do setor sucroalcooleiro tradicional do Nordeste do país. Controlada pela Biosev desde 2007, a Giasa tem capacidade de moagem anual de 1,2 milhão de toneladas de cana-de-açúcar por safra.

 

A transação abrange o ativo biológico – composto por cerca de oito mil hectares de cana-de-açúcar – e o patrimonial, com instalações industriais, equipamentos agrícolas e imóveis da unidade.

 

A venda da usina, localizada no município de Pedras de Fogo (PB), faz parte do que visa reduzir o endividamento do grupo, um dos maiores do setor sucroalcooleiro do Brasil. Ao final de setembro, a companhia informou dívida líquida de R$ 5,2 bilhões.

 

Em meado de setembro, a empresa de açúcar e etanol brasileira controlada pela trading de commodities Louis Dreyfus havia vendido a usina Estivas, no Rio Grande do Norte, por R$ 203,6 milhões.

 

Fontes com conhecimento do assunto haviam dito à Reuters em outubro que a Biosev estava negociando mais usinas para reduzir suas dívidas.

 

No início do novembro, o presidente-executivo da empresa, Juan José Blanchard, disse que a companhia estava aberta a oportunidades no mercado, incluindo vendas de ativos.

 

Agora, à Agência Estado, Blanchard afirmou que a concretização da venda está alinhada com o programa de competitividade operacional da Biosev, que inclui a revisão estratégica do portfólio de ativos. “A venda da Giasa irá contribuir para a empresa ganhar mais eficiência e melhorar a geração de caixa, direcionando o nosso foco para as unidades com maior sinergia operacional”, informou.

 

O movimento de desinvestimento acontece meses depois que a Louis Dreyfus socorreu a unidade com uma injeção de capital de US$ 1,05 bilhão e se seguiu à saída de Rui Chammas da presidência da Biosev, que foi substituído por Blanchard, em julho.

 

Excluindo a Giasa e a Estivas, restaram à Biosev oito unidades agroindustriais no Brasil, a maior parte delas em São Paulo, além de um terminal próprio portuário.

 

Segundo a empresa, o programa no qual estão inseridos os desinvestimentos busca a revisão "de potenciais alternativas estratégicas relacionadas ao seu portfólio de ativos, bem como diversificar suas fontes de financiamento, visando aumentar sua geração de caixa e fortalecer sua estrutura de capital".

 

A operação tem a aprovação do Conselho de Administração da Biosev e será submetida à análise dos órgãos reguladores, em atendimento às exigências previstas para esse tipo de negócio.

 

Com informações adicionais da Agência Estado

Please reload

Encontrou algum problema no site? Nos explique melhor aqui.