Soja: Preços no BR sobem mais de R$ 5 nos últimos 20 dias, mas ainda enfrentam obstáculos

May 22, 2019

Nos últimos 20 dias - de 2 a 21 de maio - os preços da soja subiram de forma considerável no mercado brasileiro, com altas de até R$ 5,50 por saca. Em Cascavel, no Paraná, o valor no físico passou de R$ 64,00 para R$ 69,50 no período, uma alta de 8,59%. Ganhos semelhantes foram registrados nas principais regiões produtoras do país. 

 

Em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, o valor de uma saca de soja, como referência passou de R$ 63,50 para R$ 68,50 - com alta de 7,09% - em Sorriso/MT, de R$ 60,00 para R$ 64,00 - subindo 6,67% - e em São Gabriel do Oeste/MS, a alta foi de 4,76%, com o indicativo passando de R$ 63,00 para R$ 66,00. 

 

 

De acordo com informações do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária), a média de seu indicador registrou uma valorização de 3,45% em relação à semana anterior. 

 

Uma melhora dos preços no mercado brasileiro foi registrada em todo o país e refletiu, principalmente uma alta forte do dólar - que segue atuando na casa dos R$ 4,00 -  e uma demanda bastante forte - e renovada pela soja brasileira. 

 

Essa demanda melhor motivou uma importante retomada dos prêmios no Brasil, que no mesmo período subiram mais de 100% nas principais posições de entrega. O junho saltou de 32 para 95 cents de dólar, o julho de 45 cents para US$ 1,00 e o agosto de 48 para US$ 1,00. 

 

Toda essa movimentação, apesar de uma baixa em Chicago no mesmo período - com as cotações cedendo pouco mais de 2% - movimentou um pouco mais a comercialização no Brasil, depois de meses de um mercado completamente inerte. 

 

"Isso faz com que o produtor mexa mais com a comercialização, mas precisamos separar muito bem as duas safras. A que passou e a que ainda será plantada. E eu acredito que a que passou foi a mais favorecida", explica Daniel Latorraca, superintendente do Imea. 

 

Ainda segundo ele, o produtor aproveitou os bons momentos trazidos pelo mercado e fechou parte do volume que ainda tem a vender. No entanto, a comercialização da safra nova é a que preocupa mais neste momento, já que a compra de insumos está atrasada neste momento e precisaremos acompanhar como serão os próximas semanas.

 

"A expectativa com a melhora do preço em real no mercado interno era de que voltassem os negócios, principalmente na área de fertilizantes. Porque com o preço que observamos na semana passada, a troca começou a ficar um pouco mais viável para o produtor que faz o barter e isso pode ter estimulado alguns produtores a comercializarem a próxima safra, temos que acompanhar", diz Latorraca. 

 

LIMITANTES

 

Se o ambiente comercial é mais favorável para o produtor brasileiro - com preços melhores e demanda forte pela soja nacional - o mercado ainda enfrenta obstáculos que limitam esse avanço dos negócios. O principal deles continua sendo o tabelamento dos fretes. 

 

Como explicou o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, "os preços poderiam estar de R$ 4,00 a R$ 5,00 por saca mais altos não fosse este tabelamento. Então, as vendas avançaram, mais estão muito tímidas". 

 

Pereira explica que as agroindústrias e tradingd ainda têm colocado nos preços a tabela cheia, o que compromete boa parte da renda dos produtores. E que a expectativa agora é de que os valores mudem com a nova metodologia de cálculo dos fretes apresentada pela Esalq a pedido da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre). 

 

"Os cálculos da Esalq mostraram valores bem mais baixos do que os atuais e agora estão sendo feitas as audiências públicas para que se defina o que será feito. Mas essa mudança nos valores de referência traria uma importante melhora, e um avanço nos negócios tanto no mercado físico, quanto no futuro", explica o presidente da Aprosoja BR. 

 

Dessa forma, ainda segundo Pereira, o importante é que o produtor continue analisando em detalhes seus custos de produção para que possa definir estratégias eficientes para desenvolver a comercialização das duas temporadas. 

 

Ainda assim, alerta para muitas incertezas que são esperadas pela frente. E Daniel Latorraca compartilha do alerta. 

 

"O fato é que há muitas incertezas para a próxima safra. Nas relações China x EUA está claro que não haverá um acordo até lá, isso no curto/curtíssimo prazo é bom para nós, mas no médio e longo prazo não é bom, mantém uma tensão innternacional desnecessária para gente. E eu acho que a notícia que precisamos esclarecer melhor é ainda a questão do consumo de soja e farelo na China por conta da questão da Peste Suína Africana lá", diz. 

 

POTENCIAL

 

A forte e aquecida demanda pela soja do Brasil é, sem dúvida, o mais importante fator de ganho para o produtor brasileiro. De acordo com números da Secex (Secretaria de Comércio Exterior), os embarques brasileiros de soja, no acumulado do ano, passam de 33 milhões de toneladas e já registram um recorde histórico para o período. Somente nos primeiros 12 dias úteis de maio, o país embarcou mais de 6,1 milhões de toneladas. 

 

"E (o Brasil) mostra fôlego para passar fácil das 10 milhões de toneladas e espaço para superar as 11 milhões de toneladas do grão, 1,5 milhão de farelo e outras 150 mil de óleo", diz o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. "No complexo soja, o acumulado do ano está com 40 milhões de toneladas", completa.

 

E é justamente esse fôlego esperado que tem feito com que o produtor, neste momento, siga retendo suas vendas e esperando momentos ainda melhores. Nos principais momentos do dia de ontem, os portos chegaram a registra indicativos de mais de R$ 82,00 por saca para a safra 2018/19 e até R$ 84,00 quando se trata da safra nova. 

 

E são estes preços, bem melhores do que os de algumas semanas, que indicam a manutenção dessa demanda intensa pela soja brasileira, principalmente por parte da China, que ainda está em guerra comercial com os EUA. 

 

Carla Mendes

Please reload

Encontrou algum problema no site? Nos explique melhor aqui.